Biblioterapia como forma de cura

em 14 de maio de 2020


Livros

Biblioterapia

A biblioterapia (também conhecida como "terapia de livro", terapia de poesia ou narrativa terapêutica) é uma modalidade de terapias artísticas criativas que envolve narrativas ou a leitura de textos específicos com o objetivo de curar. Utiliza a relação de um indivíduo com o conteúdo de livros, poesia e outras palavras escritas como terapia. 

A biblioterapia é frequentemente combinada com a terapia de escrita. Demonstrou-se eficaz no tratamento da depressão. Um estudo de acompanhamento de 3 anos sugeriu que os resultados são duradouros.

História

Biblioterapia é um conceito antigo em biblioteconomia. Segundo o historiador grego Diodorus Siculus, em sua obra monumental Bibliotheca historica, havia uma frase acima da entrada da câmara real, onde os livros eram armazenados pelo rei Ramsés II do Egito. Considerado o lema de biblioteca mais antigo conhecido no mundo, é traduzido: "a casa de cura para a alma".

Galeno, o extraordinário filósofo e médico de Marco Aurélio de Roma, manteve uma biblioteca médica no primeiro século dC, usada não só por ele, mas também pelos funcionários do Santuário Asclepion, um spa romano famoso por suas águas terapêuticas e considerado um dos os primeiros centros hospitalares do mundo. Já em 1272, o Alcorão era prescrito para leitura médica no Hospital Al-Mansur, no Cairo, como tratamento médico.

Mudando definições

Em sua forma mais básica, a biblioterapia está usando livros para ajudar as pessoas a resolver os problemas que elas podem estar enfrentando em um determinado momento. Consiste na seleção de material de leitura relevante para a situação de vida de um cliente. A biblioterapia também foi explicada como "um processo de interação dinâmica entre a personalidade do leitor e a literatura - interação que pode ser utilizada para avaliação, ajuste e crescimento pessoal". A biblioterapia para adultos é uma forma de tratamento autoadministrado em que materiais estruturados fornecem um meio para aliviar o sofrimento. 

O conceito de tratamento é baseado na inclinação humana de se identificar com os outros através de suas expressões na literatura e na arte. Por exemplo, uma criança em luto que lê ou lê uma história sobre outra criança que perdeu um dos pais pode se sentir menos sozinha no mundo.

O conceito de biblioterapia aumentou ao longo do tempo, incluindo manuais de autoajuda sem intervenção terapêutica ou um terapeuta "prescrevendo" um filme que pode fornecer a catarse necessária ao cliente.

O uso clínico

Embora o termo "biblioterapia" tenha sido cunhado por Samuel Crothers em 1916, o uso de livros para mudar o comportamento e reduzir o sofrimento tem uma longa história, que remonta à Idade Média. Quando aplicada em um contexto terapêutico, a biblioterapia pode incluir materiais ficcionais e não ficcionais. A biblioterapia fictícia (por exemplo, romances, poesia) é um processo dinâmico, onde o material é interpretado ativamente à luz das circunstâncias do leitor. 

De uma perspectiva psicodinâmica, acredita-se que os materiais fictícios sejam eficazes através dos processos de identificação, catarse e insight. Através da identificação com um personagem da história, o leitor ganha uma posição alternativa para ver seus próprios problemas. 

Trabalhando com uma jornada imaginativa e uma seleção específica de metáforas, os defensores afirmam que uma abordagem terapêutica da história tem o potencial de mudar um comportamento ou situação desequilibrada de volta à totalidade ou equilíbrio. 

Um paciente também pode achar mais fácil falar sobre seus problemas se ele e o terapeuta puderem fingir que estão falando sobre os problemas do personagem. Os proponentes sugerem que a forma da história oferece um meio de cura que permite ao ouvinte embarcar em uma jornada imaginativa, em vez de ser instruído ou abordado diretamente sobre o assunto.

Nos anos 80 e início dos 90, a biblioterapia era um modelo terapêutico amplamente utilizado, mas pouco pesquisado. No entanto, vários ensaios clínicos randomizados (ECR) documentaram os efeitos positivos da biblioterapia para condições clínicas, como auto-mutilação deliberada, transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) e bulimia nervosa e insônia . 

A pesquisa também apoia a biblioterapia como uma intervenção para uma ampla gama de questões psicológicas, incluindo distúrbios emocionais, dependência de álcool e disfunção sexual. Em uma revisão recente de tratamentos psicoterapêuticos para idosos deprimidos, a biblioterapia emergiu como uma intervenção eficaz.

O uso da biblioterapia em programas de saúde mental, incluindo aqueles para abuso de substâncias, demonstrou ser benéfico para pacientes no Reino Unido, onde é um recurso popular. Pesquisadores descobriram que a biblioterapia pode complementar com sucesso os programas de tratamento e reduzir a reincidência.

Nos Estados Unidos, um pesquisador da Universidade do Sul da Flórida publicou um estudo que buscava revisar a política de desenvolvimento de coleções para uma biblioteca de biblioterapia usada pelos residentes em um centro de tratamento de mulheres com DAE em Tampa, Flórida. 

A pesquisa foi conduzida por Peter Cannon como parte de seu doutorado em terapias de retórica e leitura. Achados preliminares sugerem que esse novo modelo pode oferecer aos residentes uma nova faixa de biblioterapia que emprega textos menos ativadores que serão úteis para o tratamento.

Faixas de tratamento

A biblioterapia pode ser realizada usando técnicas de tratamento afetivo, terapia cognitivo-comportamental (TCC) e materiais visuais. A biblioterapia afetiva depende de ficção que pode ajudar os participantes. Ao simpatizar com o caráter de uma história, o cliente passa por uma forma de catarse, ganhando esperança e liberando tensão emocional. Também pode haver uma conexão entre as circunstâncias de uma história e os problemas pessoais do leitor. Isso, consequentemente, leva a insights e mudanças comportamentais. A biblioterapia usando TCC depende principalmente de livros de autoajuda que trabalham para corrigir comportamentos negativos, oferecendo ações alternativas e positivas. Os materiais visuais, como as novelas gráficas, utilizam técnicas afetivas e CBT.

Tratamento cognitivo

Os ganhos alcançados na biblioterapia cognitiva ilustram que o elemento mais importante na biblioterapia cognitiva é o conteúdo do programa e não as interações individuais com um terapeuta. A biblioterapia usando TCC foi empiricamente testada e a TCC direcionada parece ser a metodologia mais prevalente na literatura. A seleção de livros sobre TCC é importante, pois há muitos no mercado que pretendem ajudar. 

A análise de Pardeck sobre a escolha de livros é bastante instrutiva e muitos de seus critérios refletem o que os bibliotecários ensinam na alfabetização informacional. Isso inclui a autoridade do autor sobre o tema, o tipo de suporte empírico oferecido às reivindicações de tratamento, a existência de estudos testando sua eficácia clínica e uma revisão comparativa de outros livros.

Tratamento afetivo

Não há muita pesquisa sobre o uso de ficção na biblioterapia quando comparada aos livros de autoajuda cognitiva. O trabalho recente de Shechtman tem sido importante na investigação do uso de literatura afetiva para a biblioterapia. Em seu trabalho sobre aconselhamento com meninos agressivos, Shechtman discute os déficits que essas crianças apresentam e descrevem distúrbios afetivos com sintomas de excitação emocional, baixos níveis de empatia e dificuldades de auto-expressão. Usando o tratamento integrativo pelo qual o paciente explora o problema, obtém discernimento e se compromete a mudar, Shechtman descobriu que o uso de técnicas de biblioterapia afetiva alcançou mudança terapêutica enquanto indica ganhos de empatia e discernimento.

Fonte: Wikipédia



Topo Astrologia